EN
08/11/2018 - Fonte: G1 - Globo | Rio de Janeiro | BR

Orquestra Petrobras Sinfônica apresenta obras do Pink Floyd no Vivo Rio

Todas as 10 canções do álbum "The Dark side of the moon" serão executadas na íntegra. Espetáculo faz parte da série "Álbuns". Quem passou em frente à Fundição Progresso durante as últimas semanas nem imaginava, mas no interior da sala 7 da antiga fábrica de fogões localizada na Lapa, uma das obras mais importantes da história do Rock estava em execução pela Orquestra Petrobras Sinfônica (Opes). Nestas quinta (8) e sexta-feira (9), além da quinta-feira (15) da próxima semana, o público que for ao Vivo Rio poderá acompanhar, na íntegra, a interpretação que os músicos, sob a regência do maestro Isaac Karabtchevsky, darão a "The dark side of the moon", maior obra do grupo inglês Pink Floyd, terceiro álbum mais vendido da história e capítulo fundamental da música do século XX. "Escolhemos muito bem, não?", questionou brincando o regente, durante ensaio realizado na tarde desta quarta-feira (7). "Eu vivia na Europa na época em que 'The dark side of the moon' foi lançado. Lembro bem do impacto do álbum. O que o Pink Floyd fez ali foi impressionante - há elementos de vários tipos de música naquele álbum, da erudita à popular, passando até por composições concretistas. Não por acaso, a obra se tornou o sucesso que é. Queríamos mostrar ao grande público o quanto o clássico e o Rock podem andar de mãos dadas e achamos que essa foi a escolha certa", explicou Karabtchevsky. A apresentação do repertório do Pink Floyd faz parte da série "Álbuns", da Opes. Nas duas edições anteriores, os mais de 50 músicos da orquestra apresentaram, também na íntegra, as canções dos álbuns "Ventura", do Los Hermanos, e "Thriller", de Michael Jackson. As 10 apresentações reuniram mais de 20 mil pessoas em três cidades, entre 2016 e 2017, e integram um conjunto de iniciativas da Opes para popularizar a música clássica e renovar o público do gênero. "Esta série nasceu da vontade de homenagear artistas e discos que marcaram a história da música brasileira e internacional e em pouco tempo já se tornou uma das mais esperadas por parte do público na nossa temporada. Depois do sucesso do 'Thriller', em 2017, as pessoas já estavam perguntando o que vinha por aí e queríamos apresentar algo especial. Foi quando, depois de algumas conversas, lembramos que 'The dark side of the moon' completaria 45 anos em 2018. Achamos a ocasião perfeita e decidimos fazer a aparesentação", relembrou o gerente de Marketing da Opes, João Magalhães. Lançado em 1 de março de 1973, "The dark side of the moon" é um dos melhores e mais bem sucedidos álbuns da história da música. Fruto das experimentações sonoras dos trabalhos anteriores da banda, porém apresentada de forma mais amigável para o grande público, no formato de canções mais curtas e melódicas, a obra se transformou em sucesso mundial, graças a canções como "Money", "Time", "Us & Them", "Brain damage" e "Eclipse". O álbum vendeu 45 milhões de cópias e permaneceu na Billboard - a parada musical americana - durante quase 15 anos. No Reino Unido, a obra ficou nas paradas por 364 semanas seguidas. "Os integrantes do Pink Floyd conseguiram captar o clima do pós-guerra na Europa e transformaram aquilo tudo em música de qualidade muito elevada. A orquestra está muito feliz em tocar essas composições", garantiu o maestro. Importante: além das 10 faixas que compõem "The dark side of the moon", ao fim da apresentação os músicos apresentarão um medley de três grandes sucessos da banda que não fazem parte do álbum: "Wish you were here", "Run like hell" e "Another brick in the wall (Part 2)", esta última, de longe a obra mais popular do Floyd. Prevendo o sucesso do espetáculo, uma nova apresentação já está marcada para o ano que vem, no dia 3 de fevereiro, na Jeunesse Arena, Barra da Tijuca.